segunda-feira, 30 de novembro de 2009

A viúva de um membro dum grupo de profetas foi ter com Eliseu e disse: “O meu marido, teu servo, morreu. Como sabes, ele era fiel ao Senhor. Agora, veio um credor que quer levar os meus dois filhos como escravos.” Eliseu disse-lhe: “Que posso eu fazer? Diz-me o que tens em casa.” Ela respondeu-lhe: “A tua serva só tem uma garrafa de azeite.” Então Eliseu disse-lhe: “Vai ter com os teus vizinhos e pede-lhe emprestadas vasilhas vazias em grande quantidade. Depois, metes-te em casa com os teus filhos, trancas a porta e enches de azeite as vasilhas, pondo-as de parte, à medida que as fores enchendo.”
A mulher foi-se embora dali, entrou em casa com os filhos e trancou a porta; os filhos então iam-lhe passando as vasilhas e ela ia-as enchendo. Quando estavam as vasilhas todas cheias, ela disse a um dos filhos: “Traz-me mais uma vasilha!” Ele respondeu que não havia mais vasilhas. E, nesse momento, o azeite deixou de correr.
A mulher foi contar tudo ao profeta Eliseu, que lhe disse: “Agora vais vender esse azeite para pagares a tua dívida. O dinheiro que sobrar será suficiente para viveres, tu e os teus filhos.”

II Reis 4

sábado, 28 de novembro de 2009

O que a apocalipse faz, de acordo com o seu género literário, é erguer a cortina que oculta o mundo invisível da realidade espiritual e mostrar o que se está a passar nos bastidores. O conflito entre a igreja e o mundo é visto como não mais que uma expressão no palco público de concurso invisível entre Cristo e Satanás, o Cordeiro e o Dragão.

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

É compreensível que as pessoas que tiveram uma forte dos de religião manipuladora, controladora, opressiva, ou entediante procurem uma espiritualidade "pura". Mas jamais vão encontrá-la. Houve muitos empreendimentos, em nossa longa história cristã, de pessoas que tentaram criar o que imaginavam ser uma espiritualidade não contaminada. Sempre acabavam criando algo pior que aquilo que rejeitavam. Sempre acabavam como mais uma variação da velha espiritualidade-faça-a-sua-própria - muito de ego, pouquíssimo de Deus. Espiritualidade do ego. Estamos sendo atacados por essa epidemia atualmente.
(...)
Na verdade, agradou-me mais o modo com que você lidou com isso nos dois últimos anos: um envolvimento de boa vontade, mas discreto, nos assuntos religiosos da congregação, contudo manteve o entusiasmo e um apetite insaciável pela Palavra de Deus e pelo Espírito em meio a um amplo espectro de circunstâncias e experiências, e com uma variedade surpreendente de pessoas.

sexta-feira, 20 de novembro de 2009


segunda-feira, 16 de novembro de 2009

“- Para trás! Deixem o princípe ganhar prestígio.
(…)
A princípio Peter pensou que se tratava de um urso, mas depois viu que se assemelhava mais a um lobo-d’alsácia, embora fosse demasiado grande para ser um cão. Foi então que compreendeu que se tratava de um lobo –um lobo de pé nas patas traseiras, com as patas da frente apoiadas ao tronco da árvore, a rosnar de dentes arreganhados e com o pêlo do dorso todo eriçado. Susan não conseguira subir mais do que o segundo ramo e tinha uma das pernas penduradas, de modo que um pé se encontrava apenas a uns centímetros dos dentes arreganhados. Peter perguntou-se porque não subiria ela mais, ou, pelo menos, porque não se agarraria melhor, até perceber que a irmã estava prestes a desmaiar e que, se desmaiasse, caía.
Peter não era muito corajoso e, na verdade, estava a ficar agoniado. Mas isso não interferia no que tinha de fazer.”

sexta-feira, 13 de novembro de 2009



Dizem que não há mulher feia.
Também não há má poesia,
que a Natureza tudo premeia.
Não há menina que nasça gentia
nem palavra que nasça alheia.
De quem critica está a vida cheia
e criticar é que é vida vazia

Mas cá para mim
isso são só desculpas
de quem mal se depila,
o buço e o soneto,
o alexandrino e a axila.

Mas cá para mim
isso são só desculpas
para quem tão mal se andraja
com calças largas de homem
a escrever coisas de gaja.

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Há um sentido em que podemos dizer que, como cristãos, todos temos uma posição alta e uma posição baixa. Paulo diz que Cristo «nos fez assentar nos lugares celestiais, em Cristo Jesus», mas também diz que «temos chegado a ser como o lixo deste mundo, e como a escória de todos». É muito importante que cada um de nós se lembre destes dois factos e aprenda a considerar-se como lixo quando é tentado à auto-satisfação e como uma pessoa já sentada no céu quando é tentado ao auto-desprezo.
Mas não deixemos de ver as coisas duma maneira humana e material também. Há ricos e pobres na sociedade humana e não deixamos de os ver. Em muitos contextos, por força da opinião que pesa sobre eles, os pobres ainda tendem a desprezar-se e os ricos quase invariavelmente a sentir-se satisfeitos consigo próprios. Só por conhecer o evangelho é que podemos ter uma perspectiva correcta e ver o que somos de facto. Lembramo-nos do «lixo» que todos somos em termos de qualquer possibilidade de confiar em vantagens materiais ou sociais para a salvação. Lembramo-nos também da nossa posição no céu que para os crentes é a suprema realidade. E então a perspectiva materialista já perde o seu valor. E estamos a meditar sobre a realidade.

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Quando Robert Kalley chegou à Madeira, em 1839, nessa ilha secularmente católica, com 140 sacerdotes da Igreja de Roma, havia apenas oitenta Bíblias. Três anos depois, havia mais de três mil livros religiosos em português, editados em Londres – entre Bíblias, evangelhos e alguns dos livros do Antigo Testamento.
Nesta história feita como se fosse de pedrinhas encaixadas, não é menor essa outra coincidência de terem nascido, em 1809, e no Reino Unido, duas crianças com destinos notáveis, inicialmente paralelos e tão divergentes depois. Robert Kalley e Charles Darwin: ambos estudaram Medicina, tornaram-se embarcadiços como cirurgiões de navio, andaram pelo mundo e regressaram à Grã-Bretanha.
Entretanto, aconteceu-lhes uma revolução nas crenças. Charles, que se tornara clérigo, apaixonou-se pela ciência e o seu principal livro, Sobre a Origem das Espécies por Meio da Selecção Natural, iria desacreditar, como nenhum outro, a verdade da Bíblia. Robert, que se afastou da religião da infância para voltar a ela com ganas de ovelha que reencontra o redil, seria o difusor da Bíblia por um mundo vasto e inexplorado, o da língua portuguesa.
A sua acção na Madeira foi classificada, por contemporâneos e correligionários, como “o facto maior das Missões Protestantes Modernas”. Talvez um exagero mas, em todo o caso, Kalley foi protagonista da primeira grande evangelização protestante em Portugal. Além disso, viria a ser também o primeiro missionário protestante do Brasil, onde é considerado o fundador de duas importantes igrejas, a Evangélica Congregacional e a Cristã Evangélica.
O Império Britânico homenageia só os que directamente o serviram, pela conquista ou pela glória nas Artes, Letras ou Ciências. Por isso, tanto David Livingstone como Charles Darwin repousam no panteão imperial, na Abadia de Westminster. Respeitadora, a Grã-Bretanha não se mete por searas alheias, deixa a Deus o que é exclusivamente de Deus e, em 1888, Robert Reid Kalley, foi discretamente enterrado no Dean Cemetery, em Edimburgo.


It's not a habit, it's cool
I feel alive
If you don't have it your onthe other side
I'm not an addict (maybe that's a lie).

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

domingo, 1 de novembro de 2009



No one laughs at God in a hospital
No one laughs at God in a war
No one’s laughing at God
When they’re starving or freezing or so very poor

No one laughs at God
When the doctor calls after some routine tests
No one’s laughing at God
When it’s gotten real late
And their kid’s not back from the party yet

No one laughs at God
When their airplane start to uncontrollably shake
No one’s laughing at God
When they see the one they love, hand in hand with someone else
And they hope that they’re mistaken

No one laughs at God
When the cops knock on their door
And they say we got some bad news, sir
No one’s laughing at God
When there’s a famine or fire or flood

But God can be funny
At a cocktail party when listening to a good God-themed joke, or
Or when the crazies say He hates us
And they get so red in the head you think they’re ‘bout to choke
God can be funny,
When told he’ll give you money if you just pray the right way
And when presented like a genie who does magic like Houdini
Or grants wishes like Jiminy Cricket and Santa Claus
God can be so hilarious

No one laughs at God in a hospital
No one laughs at God in a war
No one’s laughing at God
When they’ve lost all they’ve got
And they don’t know what for

No one’s laughing at God
We’re all laughing with God

Ninguém se ri de Deus num hospital
Ninguém se ri de Deus numa guerra
Ninguém está a rir-se de Deus
enquanto está esfomeada, enregelada ou muito pobre

Ninguém se ri de Deus
Quando o médico nos chama depois de fazer análises de rotina
Ninguém está a rir-se de Deus
Quando já é muito tarde
E os filhos ainda não voltaram da festa

Ninguém se ri de Deus
Quando o avião começa a tremer descontroladamente
Ninguém está a rir-se de Deus
Quando vê a pessoa que ama de mão dada com outra pessoa
e espera que esteja enganado

Ninguém se ri de Deus
Quando um polícia bate à porta
E diz que temos más notícias, senhor
Ninguém está a rir-se de Deus
Quando há fome, incêndios ou cheias

Mas Deus pode ser engraçado
Numa festa a ouvir piadas sobre Deus bem humoradas
ou quando os maluquinhos dizem Ele nos detesta
e ficam com a cara tão vermelha que pensamos que estão prestes a sufocar
Deus pode ser engraçado
Quando nos dizem que Ele dá dinheiro se orarmos da maneira certa
e se for apresentado como um génio qua faz magia como o Houdini
ou que concede desejos como o Jiminy Cricket ou o Pai Natal
Deus pode ser hilariante

Ninguém se ri de Deus num hospital
Ninguém se ri de Deus numa guerra
Ninguém está a rir-se de Deus
quando perde tudo o que tem
e não sabe em nome de quê

Ninguém está a rir-se de Deus
Estamos todos a rir com Deus