sexta-feira, 26 de março de 2010



Tanta gente sente medo de mudar
Temendo que a aparência perca o seu lugar
E ao tentar mexer com parecidos há em nós
É breve o silêncio até que se erga uma voz
O professor ou do senhor doutor

Nunca se chega a entender a totalidade
E o prazer de não saber vem só com a alta idade
Quem diz tudo saber não merece o benefício
Nem mesmo o homem que se ocupa de um só ofício
A consonância veste a ignorância

Vou andando
Sem dizer adeus
Bem-vinda próxima paragem
Ai Jesus que lá vou eu
Nunca mais me vão ver aqui
Se perguntarem diz que já morri

A pior raça é a de quem vive atrás da coerência
Vê na verdade matemática e no céu ciência
Ser tão pouco agora como já se era antes
É fruto da coerência em certos bons estudantes
Se é p'ra mentir, é p'ra mentir

E ter coragem de mudar é saber enfrentar
Que quando formos para outro lado não vamos voltar
Ter o sorriso pronto para a qualquer momento
Saber que faltámos ao tal grande acontecimento
Se é p'ra mudar, é p'ra perder

Vou andando
Sem dizer adeus
Bem-vinda próxima paragem
Ai Jesus que lá vou eu
Nunca mais me vão ver aqui
Se perguntarem diz que já morri

Vou a caminho do nada
Entrem comigo

terça-feira, 9 de março de 2010

Não aceitem nem divulguem falsos boatos. Não cooperem com gente corrupta dando testemunho de algo que sabem não ser verdade. Não sigam as multidões quando for para fazer mal. Quando tiverem de testemunhar numa questão qualquer não sejam tendenciosos ou parciais para estar com a maioria ou com a parte mais influente ou poderosa. Também, por outro lado não deverão favorecer um pobre pelo facto de ele ser pobre.

Se encontrarem o boi ou o jumento do vosso inimigo, que se tenha desgarrado, devem ir levá-lo ao seu dono. Se virem o vosso inimigo tentando levantar o seu animal que vergou sob uma carga demasiado pesada, não deixarão de o ajudar.

Pelo facto de um homem ser pobre, isso não é razão para torcerem a justiça contra ele. Afastem-se da falsidade; nunca admitam a condenação de um inocente. Nunca darei o meu assentimento a tal injustiça. Também nunca se deixem subornar, porque o suborno impede-vos de verem com clareza e prejudica a causa daqueles que têm razão.

Não oprimam os estrangeiros. Vocês bem sabem o que é ser estrangeiro; lembrem-se das vossas experiências na terra do Egipto.

quinta-feira, 4 de março de 2010

O príncipe é amador e seria um pouco artista, se estivesse menos engodado pelo palavreado científico. Às vezes ranjo os dentes com impaciência e cólera quando me entusiasmo a fazer-lhe sentir a natureza e elevá-lo à arte, e que ele crê fazer-se sábio espetando sem nenhum propósito na conversa um termo bem científico.