quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Uma característica do falar dos ímpios é o excesso, a falta de controle. Os ímpios falam demais; falam sem pensar, estão sempre falando. Se você viajar de ônibus ou de trem, ou se estiver numa sala pública, verá esse constante falatório; é sempre uma característica dos ímpios. Provavelmente, nem todos percebemos que o povo cristão não fala tanto como o povo não cristão.
Outra característica da conversação do não cristão é aquilo que realmente faz dela o que é – tão somente uma expressão do ego. A vida do não regenerado é sempre egoísta, egocêntrica, e a sua conversação e o seu falar sempre visam uma oportunidade para exibição pessoal. Isto explica porque tais pessoas, quanto juntas, procuram falar todas ao mesmo tempo. Uma não pode esperar que a outra termine; todos querem ficar com a palavra. Está eternamente presente o desejo de ser interessante, divertido, e de ser admirado, com o povo dizendo: que maravilhoso! Toda ela querem estar sempre com a palavra, anseiam por auto-expressão e por conseguir algo para o seu ego.
Se vocês analisarem uma fala e uma conversação tendo todas essas coisas em mente - o excesso, o não falar na vez e a interrupção uns dos outros – vocês serão forçados a concluir que não há nada nelas, senão a pura manifestação do ego e da importância própria, o desejo de admiração e de elogio. A conversação dos ímpios está repleta dessas características.

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Essa é a maneira escriturística de lembrar-nos que, em nossa vida neste mundo, não há nada que seja de maior importância que a capacidade de falar porque, afinal de contas, expressamos o que realmente somos pelo que dizemos. As palavras do nosso Senhor – "Da abundância do coração fala a boca" (Lucas 6:45) – dizem-nos a mesma coisa. Quando falamos estamos expressando o que está em nosso coração. Às vezes os nossos amigos nos lembram que "nos entregamos" pelo nosso falar. No entanto, o nosso Senhor tem mais uma verdade para nos dizer: "O homem bom tira boas coisas do seu bom tesouro, e o homem mau do mau tesouro tira coisas más. Mas eu vos digo que de toda a palavra ociosa que os homens disserem hão de dar conta no dia do juízo. Porque por tuas palavras serás justificado e por tuas palavras serás condenado". Todos nós somos lerdos para perceber a importância do falar. Falamos com tanta liberdade, tão levianamente, tão soltamente; e, no entanto, diz o nosso Senhor: "Por tuas palavras serás justificado e por tuas palavras serás condenado". Ele nos assegura que no dia do juízo o homem "dará conta de toda a palavra ociosa que tiver dito". Ele quer dizer que é quanto estamos desprevenidos, por assim dizer, que realmente expressamos o que somos. O moralismo pode por certo controlo em nós. Mas vocês descobrem realmente a fraqueza do não cristão, do homem meramente moral em seus momentos de não vigilância, quando algo lhe sucede subitamente e ele se expressa; então ele mostra realmente o que é; e essa é uma das maneiras de distinguir entre o homem meramente moral e o cristão. O cristão não é alguém que está sempre a reprimir-se; há algo diferente no centro, porquanto da abundância do coração a boca fala; é o que escorrega para fora que realmente nos diz a verdade sobre outra pessoa.

terça-feira, 20 de setembro de 2011

Contudo o nosso texto vai além: o homem pode falar, pode expressar-se, pode por pensamentos em palavras e em linguagem. De muitas maneiras é o maior dom concedido à humanidade e sendo assim, não é de admirar que seja a coisa mais mal utilizada. Na esfera espiritual, o diabo centraliza os seus ataques naquilo que é mais precioso no homem. E o que há de devastador, quanto ao pecado, é que ele sempre destrói primeiro o que há de melhor em nós. Os centros mais elevados são sempre os primeiros a serem afectados pelo pecado. Não admira, pois, que considerável atenção seja dada pelo apóstolo à questão geral do falar, visto que expressa tanto a essência do se e da personalidade do homem. No capítulo três da sua Epístola, Tiago argumenta sobre o mesmo ponto. Ali a língua humana é comparada ao leme do navio (...).

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

"Não sai da vossa boca nenhuma palavra torpe, mas só a que for boa para promover a edificação, para que dê graça aos que a ouvem", Efésios 4:29

Obviamente, pois, na opinião e na avaliação do apóstolo, toda esta questão ligada ao falar é vital e, necessariamente, deve receber grande proeminência ao tratarmos e estudarmos a aplicação da verdade aos pormenores das nossas vidas. E isso não é surpreendente porque, como já fiz lembrar quanto à questão da mentira, a fala é, afinal de contas, o fator biológico distintivo e diferencial do homem. Comparando-se e contrastando-se o homem e os animais, há muitas diferenças, mas esta é provavelmente a mais proeminente e importante; o que faz do homem um homem é o dom da fala e da expressão. Nessa capacidade de expressar-se vemos sobressair mais claramente a imagem de Deus, segundo a qual o homem foi criado originariamente. O homem pode pensar, raciocinar e ver-se objectivamente e considerar-se a si próprio; os animais não podem fazer isso.