quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

Bons dias



Fazes no dia que nasce
A manhã mais bonita
A brisa fresca da tarde
A noite menos fria

Eu não sei se tu sabes
Mas fizeste o meu dia também

Esse bom dia que dás 
é outro dia que nasce
É acordar mais bonita
Trabalhar com vontade
É estar no dia com pica

É passar com a vida 
e desejar-te um bom dia também

Um bom dia para ti
Não que apenas passa não que pesa e castiga
Não que esqueças mais tarde
Mas o dia em que me digas

Ao ouvido baixinho 
ai tu fizeste o meu dia também tão bom também

Faz também o dia de alguém
Faz também o dia de alguém
Faz também o dia de alguém
Faz também o dia de alguém

Fazes no dia que nasce
A manhã mais bonita
A brisa fresca da tarde
A noite menos fria

Eu não sei se tu sabes
Mas fizeste o meu dia também

Um bom dia para ti
E para o estranho que passa
Para aquele que se esquiva
Para quem se embaraça 
e se cala na vida


Mesmo que não o diga
Ai tu fizeste o meu dia também tão bom também

Faz também o dia de alguém
Faz também o dia de alguém
Faz também o dia de alguém
Faz também o dia de alguém

sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

Medo de mim



Quando me queres incluir
e me pões a dormir
num bairro qualquer por aí

E a lição de bem-estar
é não incomodar
quem veja incómodo em mim

Por mais passos que eu dê
mesmo sem querer
irei sempre bater
ou esbarrar contra ti

É teu o meu espaço
e p´lo teu embaraço
pelas portas d´aço
eu já percebi:

Tens medo de mim
Tens medo de mim
Tens medo de mim

Quando me vens revistar
só porque dou ar
de não ser daqui nem dali

E para me proteger
impões um poder
que não olha a meios pró fim

Todo o gesto que eu faça
é vil ameaça
que anulas e esmagas
e vejo assim

que a força que empregas
é injusta e cega
não vê em quem acerta
e acertas em mim

Tens medo de mim
Tens medo de mim
Tens medo de mim

Quando me culpas e prendes
tudo porque entendes
que isso é melhor para mim

Eu, mesmo inocente,
sou sempre diferente
porque não sou igual a ti

Agora, não entendo,
porquê este medo
brutal e tão extremo
que a ninguém faz crer

que estou na cadeia
porque a tua carteira
caiu, apanhei-a,
e quis devolver.

Tens medo de mim
Tens medo de mim
e eu medo de ti

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

A administrar como mordomos

Quantas vezes, ao participarmos em alguma ajuda a uma instituição de caridade, não teremos agido como se estivéssemos a dar alguma coisa nossa cultivando todas as expectativas de sermos considerados abnegados e generosos? Isso aconteceu quando estávamos apenas a administrar, como mordomos, parte daquilo que o verdadeiro Dono nos confiou para os propósitos que tem em mente. A prova de que não é desta forma que nos vemos a nós próprios é o sentimento que nos invade quando alguém se esquece de nos agradecer, agradecendo só (!) a Deus.

Editora: Dikaion
página 128

terça-feira, 23 de agosto de 2016

Eles não respeitam as máscaras, mas julgam os seus segredos

Um dia, li uma frase de Karl Barth que compara os métodos do livro de Génesis com os romances de Dostoievski. Barth diz que ambos arrogantemente ignoram as apreciações e honras convencionais e aproximam-se das vidas de homens e mulheres cavando as profundezas de Deus nas suas supostas vidas convencionais. Dostoievski e Génesis não respeitam as máscaras de homens e mulheres, mas julgam seus segredos. Eles vêem além do que homens e mulheres aparentam ser e entendem o que eles são e o que eles não são. Eles vêem, nos termos de Paulo, sua justiça reconhecida como o divino "todavia", e não como o divino "portanto"; como perdão, e não como um permissão para o que eles acreditam ser.

Original: Under the Unpredictable Plant
Editora: United Press
página 67

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

O personagem que haveria de criar para conseguir ser o artista que desejava ser

Nunca se viam de um modo definido as suas feições. Os seus olhos azuis, profundos, vivos e inquisitivos só apareciam fora do espaço público. David pensava agora que o amigo sempre parecera querer esconder-se. Tinha visto algumas fotografias suas de miúdo em que era possível prever no olhar esquivo, e no modo reservado do corpo, a pré-história do personagem que haveria de criar para conseguir ser o artista que desejava ser.

Editora: Quetzal
página 171

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

I believe


Hallelujah! I just found Jesus
Swimming at the bottom of the bottle 
I keep crawling out of
He said You look familiar but I can't place your face
I said You look like hell 
and that we used to hang at my mother's request
Hallelujah! I just found Jesus 
Trying to save the world through the wet hands 
and mouth of a girl
She's convinced me to stay in for as long as 
we both shall live
(Or until one of us gets bored)
Have I been saved?
'Cause I feel the same
Dirty and tired
Can I be saved without having shame or remorse 
for what I don't believe?
I offer up my humbled soul and my broken spirit 
All those things that I can't control
The intangible bullshit to you, my Lord
I believe there is no white light
Somebody's mistaken or somebody lied
I believe there is only one truth 
It resonates different in me and you 
so don't try to sell me yours

Sobretudo a total ausência de magia

A criança que fui seguiu-me de desapontamento em desapontamento nesta primeira semana de trabalho. Pedra, lixo, silvedo e, sobretudo, a total ausência de magia. Nada remotamente relacionado com passagens secretas ou entradas para grutas ou divisões escondidas com a possibilidade de algum achado extraordinário. Sabia, evidentemente, que as lendas acerca da serra não podiam ser reais, mas sou incapaz de evitar sentir-me decepcionado.

Editora: Quetzal
página 13

segunda-feira, 18 de julho de 2016

The Voice of Istanbul

I've had at least thirty names on your own to Istanbul. Now they say I'm between the east and the west, an identity crises. I know there's enough for this nonsense. Take the labels off and just look at me. You won't need a guidebook. Like all cities, I have my own sense of time. I'm a labyrinth of layers that only makes sense without a compass. If you're hesitant, not sure which way to go as you walk about, follow one of my cats. They will lead you to places, introduce you to people, point out secrets they keep even from me. They, more than anyone, are the longest continuing residents of the city A challenge to those who see their future in my past, I'm an obstacle for those who see only the future. I see change with the patience of centuries. Look at my silhouette from the bridge on the Golden Horn. Time has not passed me by. It has protected me. I ask of you the same.

sábado, 23 de abril de 2016

Strange fruit


Southern trees bear strange fruit
Blood on the leaves and blood at the root
Black bodies swinging in the southern breeze
Strange fruit hanging from the poplar trees

Pastoral scene of the gallant south
The bulging eyes and the twisted mouth
Scent of magnolias, sweet and fresh
Then the sudden smell of burning flesh

Here is fruit for the crows to pluck
For the rain to gather, for the wind to suck
For the sun to rot, for the trees to drop
Here is a strange and bitter crop

As árvores do Sul carregadas de fruta estranha
Sangue nas folhas e sangue na raiz
Corpos negros a balançar na brisa do Sul
Fruta estranha pendurada nos choupos

Cena pastoral do Sul galante
Os olhos esbugalhados e a boca torcida
O cheiro das magnolias, doce e fresco
E o cheiro súbito de carne queimada

Eis aqui fruta para os corvos debicarem
Para a chuva juntar, para o vento sugar
Para o sol apodrecer, para a árvores deixarem cair
Eis aqui uma estranha e amarga colheita

terça-feira, 12 de abril de 2016

Para encaixar neste narrativa Galileu foi representado como um herói solitário

Galileo’s rise to immortality starts at the end of the 18th century. In this period, scientific biography started to become popular, and Galileo became a favourite subject, largely because of his persecution by the Catholic Church. This effect was immensely magnified by the largely mythical war between science and religion in the late 19th century, waged by two US-based scientist-historians, John William Draper and Andrew Dickson White. They wrote passionately about religion as an obstacle to the forces of progress, and advanced a self-congratulatory thesis in which Western civilisation had steadily emerged from the ignorance of the Dark Ages to the modern age of Enlightenment. This was an outgrowth of the broader rejection of the dominance of religious thought, which had emerged in Europe during the Enlightenment and had been enthusiastically adopted by influential American intellectual figures including Thomas Jefferson and Benjamin Franklin. 

To fit into this narrative, Galileo was presented as a solitary hero defending Copernicanism against the ignorance and prejudice of the Church. Draper and White also promoted the notion that mediaeval scholars, blinded by theology, had believed the world was flat – another myth that has wormed its way into generally accepted truth.

domingo, 3 de abril de 2016

Tentação de ceder às exaltações da violência mais do que num frente-a-frente

Antes e depois de Sartre, foram numerosos os intelectuais, à esquerda ou à direita, que se enganaram com obstinação e enganaram o seu público! Mais uma vez, esqueceremos os impostores para não pensar senão nos espíritos sinceros. De onde vem uma tal propensão ao extremismo? Antes de abordar o essencial, há uma razão acessória que não se pode menosprezar: o intelectual exprime-se na maior parte das vezes por escrito, sem mais interlocutor que a página em branco. É então muito forte a tentação de ceder às exaltações da violência, muito mais do que num verdadeiro frente-a-frente.