quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

“Es la Iglesia de Cristo un arca, o un faro? Después del siglo II la cristandad se dividió sobre esta cuestión vital. La mayoría, por influencia del paganismo , pensaba en la iglesia como el arca de Noé: el único requisito para ser salvo era entrar a ella. Hasta los infantes debían ser pasados por sus portales para asegurarles la salvacíon. Una vez adentro, uno podría confiar en que la monarquia sacramental de la iglesia lo capacitaría para recebir todas las bendiciones de Dios.
Outras personas, sin embargo, conceptuaban la iglesia como un faro; solamente a aquellos que ya poseían la luz de Dios debía permitírseles entrar. La gran diferencia entre estos dos conceptos, arca y faro, ha formado una historia dual del cristianismo. Un grupo sostiene que los sacramentos de la iglesia salvan; el outro grupo recalca la relacíon individual directamente com Dios. El concepto del arca, com todas las corrupciones paganas y la supersticíon, llegó a ser dominante.”

sábado, 25 de dezembro de 2010

Tu deixaste Jesus, o Teu reino de luz,
E baixaste a este mundo tão vil,
Um presépio em Belém,
Tu Jesus, Sumo-Bem,
Escolheste por berço infantil.

Vem Jesus habitar comigo,
Em minha alma há lugar , ó vem já!
Vem Jesus habitar comigo,
Em minha alma há lugar , ó vem já!

Cantor Cristão, hino 31

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

O que é o amor, em concreto? Não perguntes o que é sem este «em concreto», acabarás com arbitrariedades verbais, piedades, coisas vãs. O que é o amor em concreto, concreto como cimento, como betão, concreto como uma pedra, imagem tão diferente do complicado e impudico coração? O verbete «amor» fala em emoção, estética, ideologia, doença, e nada disso interessa agora mas apenas o amor em concreto, corpos, cortinas, cheiros, cães, o amor que com ou sem aspas mostramos aos outros para que acreditemos também, vejam a minha felicidade, a minha normalidade, a minha desistência. Com o teu amor concreto o mundo encontra uma base estável no meio dos vendavais. E agora suportas todas as decepções. O amor é um vício, uma gangrena, faz mais falta um amor concreto, hábitos, fotos, impostos, torneiras, é contra o amor que o amor concreto triunfa, onde estavas, amor, quando foste preciso, quando ela precisava, ao passo que eu estive sempre aqui ao seu lado? Que importam as tuas escaladas, os teus mergulhos, que tristes acrobacias são essas, que escusado espectáculo, quando eu dou (diz o amor concreto) a desculpa, o descanso, os domingos? O amor perdeu porque é seu costume, saiu para a rua com a roupa errada, enquanto o amor concreto trouxe agasalho, é prudente e precavido, tem botões, chaves, ferramentas. O amor diz que ama mas desconhece o tempo e o tédio, é por ser banal que o amor concreto o humilha, não há amor mais forte que o amor em concreto, o amor que te toca, protege, exaspera, o que é o amor ao pé disso, simples hipótese rabiscada num guardanapo, devaneio de asténicos, vida alternativa. Vinhas com os teus exércitos, amor, mas foste dizimado, o amor em concreto é o único, escondo-me agora na vergonha dos indignos enquanto em concreto o amor concreto está onde sempre esteve, tranquilo no inverno com o teu amor nos braços.

domingo, 19 de dezembro de 2010

Quando o Cristianismo é considerado como liberdade em Cristo (e é o que é), os cristãos não ficam em subserviência para com os mestres humanos, porque a sua ambição é alcançar a maturidade em Cristo. Mas quando o Cristianismo se transforma em servidão a regras e regulamentos, suas vítimas ficam inevitavelmente sujeitas, amarradas aos seus mestres, como na Idade Média.

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

(...) la obra de Jesucristo tuvo una dimensión social y política. El individualismo del 'cristianismo-cultura' a que ha hecho referencia mira al Señor con un solo ojo y por lo tanto lo ve como un Jesús individualista que se ocupa de la salvación de individuos. Una lectura candorosa de los Evangelios nos permite ver un Jesús que, en medio de varias alternativas políticas (el fariseísmo, el saduceísmo, el celotismo y el esenismo), encarna y proclama una nueva alternativa: el Reino de Dios. Decir que Jesús es el Cristo es decribirlo én términos políticos, es afirmar que él es rey. Su reino no es de este mundo, no porque no tenga nada que ver con el mundo, sino porque no se conforma a la política de los hombres. Es un reino con su propia política, una política marcada por el sacrifício. Jesús es un rey que 'no vino para que le sirvan, sino para servir, y para dar su vida como precio para la salvación de muchos'.

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Evangelizar, por lo tanto, no es ofrecer una experiencia de liberación de sentimientos de culpa, como si Cristo fuese un super-psiquiatra y su poder salvador pudiera separarse de su señorio. Evangelizar es proclamar a Jesucristo como Señor y Salvador, por cuya obra el hombre es liberado tanto de la culpa como del poder del pecado e integrado al propósito de Dios de colocar todas las cosas bajo el mando de Cristo. Como ha señalado Walter Kunneth, una cristología individualista – una cristología que contempla a Cristo únicamente en su relación con el indivíduo – deja la puerta abierta para una negación de la creación, puesto que según ella hay que entender el mundo como si existiese aparte de la Palabra de Dios que le da sentido. El Cristo proclamado por el Evangelio es el Señor de todos, en quien Dios ha actuado definitivamente en la historia a fin de formar una nueva humanidad.


Evangelizar, portanto, não é oferecer uma experiência de libertação dos sentimento de culpa, como se Cristo fosse um super-psiquiatra e o seu poder salvador pudesse ser separado da sua soberania. Evangelizar é proclamar Jesus Cristo como Senhor e Salvador, e por cuja obra o homem é libertado tanto da culpa como do poder do pecado, e integrado no propósito de Deus de colocar todas as coisas debaixo da autoridade de Cristo. Como foi assinalado por Walter Kunneth, uma cristologia individualista - uma cristologia que contempla Cristo unicamente na sua relação com o indivíduo - deixa a porta aberta para a negação da criação, já que segundo ela, temos de entender o mundo como se existisse à parte da Palavra de Deus que lhe dá sentido.  O Cristo proclamado pelo Evangelho é o Senhor de todos, em quem Deus actuou definitivamente na História a fim de formar uma nova humanidade.

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Como cristianos no estamos llamados a ser eficaces en la construcción de un nuevo mundo, sino a llevar a cruz de Cristo, haciendo el bien a todos nosotros... pero tampoco menos. El impacto que nuestra acción pueda tener en la sociedad es la obediencia, la respuesta fiel a la demanda de Dios en Cristo Jesús, la preocupación genuina por el prójimo como el objecto del amor de Dios.
The cross is not a detour or a hurdle on the way to the kingdom, nor is it even the way to the kingdom; it is the kingdom come.

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

La Iglesia auctótona es una "traducción dinámica" que produce en su propio medio ambiente la misma clase de impacto que la Iglesia primitiva produjo en el mundo greco-romano. Usa las formas de la cultura local, pero las transforma en medios de expresión de la fe cristiana.


A Igreja local é uma "tradução dinâmica" que produz em seu próprio meio o mesmo tipo de impacto que a Igreja primitiva no mundo greco-romano. Usa as formas de cultura local, mas transforma-as em meios de expressão da fé cristã.

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Si en el processo de interpretación alguno de los valores o premisas de la cultura que son incongruentes con el Evangelio se integra a éste de tal manera que afecta su contenido, el resultado es un sincretismo. En todo sincretismo hay un acomodamiento del Evangelio a algún valor prevalente en la cultura, acomodamiento que generalmente tiene el propósito de hacer 'relevante' al Evangelio. Ya en siglo II los gnósticos intentaron colocar la fe cristiana en línea con ciertos énfasis de la filosofía griega. Desde entonces la historia de la teologia abunda en ilustraciones de intentos simlares. En nuestros días el ajuste del cristianismo a premisas marxistas ha dado origen a un sincretismo que pretende devolver al Evangelio su dimensión social y política: la 'teología de la liberación'. Que eta teologia haya hallado su laboratorio en América Latina – un continente marcado por el fermento revolucionario – muestra elocuentemente hasta dónde la teología es a menudo un reflejo de la situación histórica.

domingo, 12 de dezembro de 2010

El reconocimiento del elemento subjectivo en la interpretación de las Escrituras resulta demasiado incómodo para quienes quisieran equiparar su propia teologia con la Palabra de Dios. La mentalidad racionalista preferiría concebir el Evangelio como un sistema de verdad al cual se puede llegar directamente mediante un acercamiento 'científico', 'objectivo', sin un compromisso personal. El hecho es que la objectividad absoluta no es posible. El intérprete está siempre presente en su interpretación de Evangelio, y está, presente en ella como un ser falible. Por supuesto, toda interpretación puede someterse a un control que asegure una mayor aproximación al mesaje revelado. Esa es la función de la hermenéutica como disciplina científica. Pero no se debe cerrar los ojos a la distancia que hay entre el Evangelio revelado y toda interpetación del mismo. Toda interpretación toma la forma que le impone el intérprete y por lo tanto refleja en mayor o menor grado, el contexto cultural que condiciona a éste. En resumidas cuentas, el conocimiento de Dios que se desprende de las Escrituras por la vía de la exégesis es verdadero, pero no completo. Consecuentemente ninguna teologia es absoluta. Dios siempre transciende nuestra imagen de él.


O reconhecimento de que existe um elemento subjectivo na interpretação das Escrituras torna-se demasiado incómodo para quem quiser equiparar a sua própria teologia à Palavra de Deus. A mentalidade racionalista prefere conceber o Evangelho como um sistema de verdade ao qual se pode chegar directamente mediante uma abordagem "científica", "objectiva", sem um compromisso pessoal. O facto é que a objectividade absoluta não é possível. O intérprete está sempre presente na sua interpretação do Evangelho, e está presente sendo um ser falível. Como é óbvio, toda a interpretação pode submeter-se a um controlo que assegure uma maior aproximação da mensagem revelada. Essa é a função da hermenêutica enquanto disciplina científica. Mas não se deve fechar os olhos à distância que existe entre o Evangelho revelado e a interpretação que se faz dele. Toda a interpretação toma a forma que o intérprete impõe e portanto reflecte, em maior ou menor grau, o contexto cultural que o condiciona. Resumindo, o conhecimento de Deus que nos chega das Escrituras por meio da exegese é verdadeiro, mas não completo. Consequentemente nenhuma teologia é absoluta. Deus transcende sempre a imagem que fazemos dele.

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010



Diz que deu, diz que Deus, diz que Deus dará,
Não vou duvidar,ô nega e se Deus não dá, como é que vai ficar, ô nega?
Diz que deu, diz que dá, e se Deus negar, ô nega
Eu vou me indignar e chega, Deus dará, deus dará


Deus é um cara gozador, adora brincadeira
Pois prá me jogar no mundo, tinha o mundo inteiro
Mas achou muito engraçado me botar cabreiro
Na barriga da miséria nasci batuqueiro
Eu sou do rio de janeiro


Jesus cristo ainda me paga, um dia ainda me explica
Como é que pôs no mundo essa pouca titica
Vou correr o mundo afora, dar uma canjica
Que prá ver se alguém me embala ao ronco da cuíca
E aquele abraço prá quem fica


Deus me deu mão de veludo prá fazer carícia
Deus me deu muita saudade e muita preguiça
Deus me deu perna cumprida e muita malícia
Prá correr atrás da bola e fugir da polícia
Um dia ainda sou notícia


Deus me fez um cara fraco, desdentado e feio
Pele e osso simplesmente, quase sem recheio
Mas se alguém me desafia e bota a mãe no meio
Dou pernada a três por quatro e nem me despenteio
Que eu já tô de saco cheio

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Perfilados de medo, agradecemos
o medo que nos salva da loucura.
Decisão e coragem valem menos
a vida sem viver é mais segura.

Aventureiros já sem aventura,
perfilados de medo combatemos
irónicos fantasmas à procura
do que não fomos, do que não seremos.

Perfilados de medo, sem mais voz,
o coração nos dentes oprimido,
os loucos, os fantasmas somos nós.

Rebanho pelo medo perseguido,
já vivemos tão juntos e tão sós
que da vida perdemos o sentido…